segunda-feira, 10 de junho de 2019

O Inferno


O conceito de Inferno é inconcebível com a imagem de um Pai justo, afinal, se esse mesmo Pai enviou seu filho para nossalvar” e se esse Filho pregou – e exemplificou com atosque devíamos perdoar setenta vezes sete vezes, então qual o sentido de existir um lugar em que um filho fique queimando por toda a eternidade? Isto não é o mesmo que negar-lhe o perdão? Se devemos negar-lhe o perdão, então por que o Cristo mandou que perdoássemos setenta vezes sete vezes? Será que Ele não estava falando sério? Aceitar que Jesus estivesse “jogando conversa fora” é ainda pior do que aceitar qualquer dogma que nos seja imposto por qualquer religião.

Vejamos, agora, o fato de ter o Pai enviado o Filho parasalvar” a humanidade. Pergunto: salvar de quê? Dos pecados? Meu raciocínio recusa-se a aceitar que seja assim tão fácil. Afinal, muito antes de Jesus estar entre nós, a humanidade cometia ‘pecados’ verdadeiramente abomináveis. Nesse caso, somos forçados a aceitar que Jesus veio, “salvou-nos” e “zerou” tudo? Ficamos sempecado’? Terá sido por isso que viemos a cometer outros piores? Sim, porque, se ficamos “zerados” em um passe de mágica, nada mais natural e esperado que viéssemos a cometer erros ainda mais atrozes, afinal, “zerartudo é o mesmo que absolver o condenado sem ministrar-lhe o conforto e a sabedoria das Leis Morais, que o Cristo veio pregar – e exemplificar – entre nós.

Se o “pecadornão aprende a evoluir moralmente, isto é, se não aprende a tornar-se uma pessoa decente para poder reparar dignamente os seus erros, então qual o mérito que possui para herdar o Reino de Deus? Herdará tudo sem fazer nenhum esforço, então?  

Jesus não deixou nada escrito. Fizeram-no por Ele e em nome dEle; entretanto, os conceitos veiculados por esses dogmas são tão absurdos que não resistem a uma análise mais acurada, isto é, à luz do raciocínioque é muito difícil crer que representem fielmente tudo o que Jesus disse quando esteve entre nós. Ao menos os atos de Jesus contradizem a letra dos dogmas e, como a própria Bíblia descreve os atos de Jesus, Ela própria contradiz os seus dogmas. Será isso possível? Sim. Vejamos outras situações que merecem análise; comecemos pela tão controvertida figura do demônio.

Continua...


Nenhum comentário:

Postar um comentário